Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

Tecnologia Achix
Busca
Busca Avançada
Entrar | Não é cadastrado?
Você está em: Início » Textos » ARTIGO - Teatro na Rua – Por Paulinho Rodrigues

Textos

ARTIGO - Teatro na Rua – Por Paulinho Rodrigues

Segunda-Feira , 28 de Julho de 2008 - 18:10
Apesar das ruidosas explosões de julho (pirotécnicas ou não), Porto Velho, assistiu letificantes representações, que através de farsas, lendas, contos, mitos, cantigas, fábulas, músicas e bonecos, reviveram o nosso rico imaginário, contribuindo com formação de platéia, que lotou a Pç. das Três Caixas D’água, durante a realização do projeto “Amazônia Encena na Rua”.
O Festival de Teatro de Rua (de 23 à 27.Jul.08), teve início com um primoroso café da manhã - bem regional - demonstrando desde aquele momento, que as oficinas, ciclo de debates e apresentações, seriam preciosos e com platéia garantida.

A história nos mostra que o Teatro interativo é assim; artistas e platéia juntos, e para propalar a arte, o artista “tem que ir aonde o povo está”.

O resultado não poderia ser outro; sucesso.

Diferente de mornas representações, com longas falas oportunistas e cansativas, o Festival (que teve como cenário, tecidos coloridos ricamente alinhavados, sendo rotunda as férreas Caixas D’água, num julho poeirento, fumacento e meio árido), além de agregar artistas e platéia às vezes formada por famílias inteiras, demonstrou que a arte está intrisicaamente ligada aos anseios do povo, que carente de informações culturais, vê em Projetos desta natureza, o necessário empenho em desenvolver políticas públicas para promover o setor, sendo de fundamental importância o apoio institucional. No tablado improvisado, de puro cimento, atores e platéias se confundiram em autêntica simbiose, em recíproca entrega...

A “Praça é do povo, como o céu é do urubú”, e com esta máxima, a Cia Será o Benedito ? (RJ); Grupo Baião de Dois (AM); Cia de Lavrado (RR); Grupo Vivarte (AC) e O Imaginário (RO), desfilaram repertório da secular arte de interpretar a vida. Aos intrépidos Chicão/Zaine a nossa reverência, pela incansável sina de fazer cultura. Às Companhias de Teatro que vieram mostrar arte e talento para o povo daqui, nossos agradecimentos e respeito.

“Nem só de pão vive o homem”, mas de toda a palavra, canto e gestual daqueles que escolheram o TEATRO como forma de tornar a ARTE sublime e grandiosa.

Fonte: http://www.rondoniaovivo.com/news.php?news=41015

Documentos anexados

Visualizações: 1.743
Gostou?! Então vote!
  • 0 pessoas votaram Sim
  • 0 pessoas votaram Não

Este conteúdo tem 0 Comentários

Neste espaço não serão permitidos comentários que contenham palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa. A equipe do portal iTEIA reserva-se no direito de apagar as mensagens.

Deixe um comentário








Parceiros
Cooperação
Integração
Realização
Patrocínio

Ir para o topo